Sobre nós

Quem somos

O Cefal é uma pessoa colectiva de direito privado, dotada de personalidade jurídica, autonomia técnica, científica, financeira e patrimonial, vocacionada para a realização de actividades de investigação científica, no domínio das ciências sociais e humanas, em matérias que constituem problemas filosóficos. O Cefal rege-se pelo Disposto no seu estatuto orgânico, pelo Decreto Presidencial n.º 109/19 de 2 de Abril, que estabelece as regras para a estruturação e funcionamento da Carreira do Pessoal Investigador Científico, pelo Decreto Presidencial n.º 125/15 de 1 de Junho, que regula as Instituições Públicas de Investigação Científica, Desenvolvimento Tecnológico e Inovação, e demais legislação aplicável.

O Cefal estabelece parcerias nos domínios da investigação aplicada e desenvolvimento experimental com os estabelecimentos de ensino públicos e privados, empresas e outras instituições nacionais, regionais e internacionais.

MISSÂO

Nossa missão é promover a formação integral dos jovens angolanos, mediante forte contribuição para a qualidade de ensino e pesquisa em Angola, de modo a torná-los mais capazes e motivados a participarem na vida cívica, económica, social e política do país.

VISÂO

Ser reconhecida a nível nacional e internacional como excelente promotor da valorização da aprendizagem significativa e de uma forte cultura de investigação científica direcionada a resolução de problemas concretos em Angola.

VALORES

Ubunto – a pessoa humana é de capital importância para o Cefal e, Ubunto é o caminho mais seguro para a condução harmoniosa das relações humanas, quaisquer que sejam, pois Ubunto é a manifestação da exploração e conservação do melhor de cada pessoa.

Quando o Centro de Estudos Filosóficos e Artes Liberais (CEFAL) foi pensado, a intenção foi, inicialmente, a de erigir uma força social capaz de potenciar mudanças. Isto no seio da sociedade hodierna. Não mudança no sentido radical da palavra. E sim, na medida em que se oferece aos angolanos ferramentas para transformarem suas realidades individuais, ou grupais, caso desdenhem seus modos de vida.

Com isto, só encontramos na Educação ferramenta capaz de potenciar mudanças no seio dos angolanos. Não mudança no sentido radical da palavra. E sim, na medida em que desperta o angolano para assumir o controlo da sua própria existência: criando-o, instruindo-o, formando-o, para o trabalho e para a convivência social sadia com os seus semelhantes.

Assim, a nossa ideia embrionária de mudança eterniza-se no sentido de participação activa no processo de ensino-aprendizagem do nosso país. Até aqui o Cefal tem forma, tem sentido. Falta-lhe abrigo, porém. É pedinte.

Então, inspirado nos ideais nacionalistas de criação do homem-novo, do angolano patriota capaz entregar-se ao trabalho pelo seu país, e vendo na Educação caminho seguro para a preconização deste fim, o Cefal afigura-se como uma empresa de Direito Angolano preocupada com a qualidade de ensino e pesquisa em Angola.

Assim, em Março de 2016, o Cefal estabelece seus pressupostos legais com a publicação do seu estatuto legal na III. ª Série do Diário da República n.º 68/16 de 13 de Abril.

Em Maio de 2017, o Cefal inicia o estabelecimento de sua presença online, com o alojamento do site www.cefal.net.

Em 2018, inicia a criação de uma revista científica digital, para contribuir com o acesso a informação e divulgação da produção académica e científica nacional.

Em 2019, inicia o desenvolvimento de uma plataforma de aprendizagem virtual, acessível através do endereço www.formacao.cefal.net, no sentido de contribuir para oferta formativa nacional e concomitante democratização do conhecimento.

Conforme o seu estatuto orgânico, constituem atribuições do Cefal, as seguintes:

  1. Efectuar os trabalhos de investigação no domínio das ciências sociais e humanas, em matérias que constituem problemas filosóficos;
  2. Realizar programas de pesquisa científica decorrentes de contratos-programa assinados com instituições públicas e privadas;
  3. Organizar e cooperar com instituições afins na realização de cursos de formação relacionados com as áreas técnico-científicas e de investigação;
  4. Estabelecer parcerias nos domínios da investigação aplicada e do desenvolvimento experimental com os estabelecimentos de ensino públicos e privados, empresas e outras instituições nacionais, regionais e internacionais;
  5. Realizar, com o apoio de instituições públicas e privadas no quadro dos convénios estabelecidos tanto a nível nacional como no quadro da cooperação internacional, toda a pesquisa ou experimentação;
  6. Contribuir para a formação especializada e pós-graduação dos técnicos e investigadores, assim como a execução de estágios com vista a superação à luz do seu programa de actividades;
  7. Valorizar os resultados de pesquisa e favorecer a sua utilização em todos os sectores da economia nacional;
  8. Prestar consultoria e emitir pareceres com vista à promoção da actividade científica ao serviço da economia;
  9. Preparar e propor periodicamente um plano de investigação científica, a nível nacional;
  10. Apoiar as actividades científicas, técnicas e de experimentação a nível regional;
  11. Estabelecer cooperação com instituições congéneres, nacionais e internacionais, nas áreas de investigação, formação e desenvolvimento;
  12. Celebrar convénios, protocolos, acordos e contratos de parceria com instituições públicas, privadas, nacionais, regionais e internacionais;
  13. Colaborar na divulgação do conhecimento científico através de apoio a edição de publicações, realização de congressos e outros eventos nacionais e internacionais.
Nossa História

Quando o Centro de Estudos Filosóficos e Artes Liberais (CEFAL) foi pensado, a intenção foi, inicialmente, a de erigir uma força social capaz de potenciar mudanças. Isto no seio da sociedade hodierna. Não mudança no sentido radical da palavra. E sim, na medida em que se oferece aos angolanos ferramentas para transformarem suas realidades individuais, ou grupais, caso desdenhem seus modos de vida.

Com isto, só encontramos na Educação ferramenta capaz de potenciar mudanças no seio dos angolanos. Não mudança no sentido radical da palavra. E sim, na medida em que desperta o angolano para assumir o controlo da sua própria existência: criando-o, instruindo-o, formando-o, para o trabalho e para a convivência social sadia com os seus semelhantes.

Assim, a nossa ideia embrionária de mudança eterniza-se no sentido de participação activa no processo de ensino-aprendizagem do nosso país. Até aqui o Cefal tem forma, tem sentido. Falta-lhe abrigo, porém. É pedinte.

Então, inspirado nos ideais nacionalistas de criação do homem-novo, do angolano patriota capaz entregar-se ao trabalho pelo seu país, e vendo na Educação caminho seguro para a preconização deste fim, o Cefal afigura-se como uma empresa de Direito Angolano preocupada com a qualidade de ensino e pesquisa em Angola.

Assim, em Março de 2016, o Cefal estabelece seus pressupostos legais com a publicação do seu estatuto legal na III. ª Série do Diário da República n.º 68/16 de 13 de Abril.

Em Maio de 2017, o Cefal inicia o estabelecimento de sua presença online, com o alojamento do site www.cefal.net.

Em 2018, inicia a criação de uma revista científica digital, para contribuir com o acesso a informação e divulgação da produção académica e científica nacional.

Em 2019, inicia o desenvolvimento de uma plataforma de aprendizagem virtual, acessível através do endereço www.formacao.cefal.net, no sentido de contribuir para oferta formativa nacional e concomitante democratização do conhecimento.

Objectivos
×